Diabetes em Crianças Sintomas e Gerenciamento
Foto Wilton de Andrade
Escrito por
Wilton de Andrade
Última atualização
02/07/2024
Logo da Pill

Entenda como cuidar de uma criança diabética

Os últimos estudos epidemiológicos alertam para um aumento dramático na incidência de diabetes em crianças na população, especialmente o diabetes tipo 2. Entre os dados, destaca-se o aumento alarmante da doença em crianças.

O diabetes é caracterizado por um distúrbio na produção de um determinado hormônio, a insulina, pelo pâncreas. Também pode ser devido ao fato de o corpo resistir à ação da insulina. A insulina ajuda o corpo a converter o açúcar ou a glicose em energia, permitindo que o corpo funcione adequadamente. Deve-se observar que a quantidade de insulina liberada depende da quantidade de açúcar ingerida: comer mais alimentos ricos em carboidratos (batata, açúcar, macarrão, arroz etc.) exige que o pâncreas trabalhe mais do que o normal. 

O diagnóstico de diabetes em crianças está associado a um alto risco de complicações agudas e crônicas, portanto, o diagnóstico precoce é muito importante para preveni-lo.

 

O que é Diabetes em Crianças?

O diabetes infantil, também conhecido como diabetes mellitus em crianças, é uma condição médica crônica que afeta a maneira como o corpo da criança lida com o açúcar, especificamente a glicose no sangue. A condição mais comum em crianças é a diabetes tipo 1.

Uma doença autoimune na qual o sistema imunológico do corpo ataca e destrói as células beta do pâncreas, que são responsáveis pela produção de insulina. Embora possa ocorrer em qualquer idade. 

As crianças com diabetes tipo 1 dependem de insulina diária para regular seus níveis de glicose no sangue. Apesar dos avanços na tecnologia de administração de insulina, viver com diabetes tipo 1 envolve gerenciamento constante e cuidados rigorosos.

O impacto da diabetes infantil vai além da esfera física, afetando os aspectos emocionais e sociais. As crianças diagnosticadas precisam aprender a gerenciar sua condição, muitas vezes exigindo ajustes na dieta, medicação e, em alguns casos, administração regular de insulina.

 

Sintomas Comuns de Diabetes em Crianças

É entre as idades de cinco e sete anos e durante a puberdade que a doença se manifesta. O que deve alertar os pais é uma série de sintomas facilmente identificáveis que podem disparar o alarme:

Tipo 1

Esse tipo de diabetes causa uma produção inadequada de insulina pelo pâncreas. Quando isso acontece, o corpo não metaboliza o açúcar adequadamente, fazendo com que ele se acumule no sangue.

  • Sintomas iniciais: aumento da frequência urinária, sede, fadiga e perda de peso, apesar de um grande apetite.

Tipo 2

A prevalência desse tipo de diabetes tem aumentado devido à obesidade infantil.

  • Sintomas iniciais: Os primeiros sintomas são semelhantes aos do diabetes tipo 1, mas se apresentam de forma muito mais gradual. Também podem ser observadas áreas escuras na pele, especialmente perto do pescoço ou das axilas.

Se esses sinais estiverem presentes, podemos suspeitar que a criança sofre de diabetes, mas devemos sempre consultar e confirmar isso com um médico especialista.

Importância do diagnóstico

As complicações agudas que podem resultar do diabetes tipo 1 ocorrem em um determinado momento, e são basicamente duas:

  • Hipoglicemia. Essa é uma crise causada por baixos níveis de açúcar no sangue e se manifesta por palidez, sonolência, tremores, fome ou até mesmo perda de consciência. Nesses casos, é importante elevar rapidamente os níveis de glicose dando à criança algum alimento açucarado: açúcar, refrigerante, suco de frutas ou biscoitos e deixando-a descansar.
  • Hiperglicemia com cetonas (que pode levar à cetoacidose aguda). É essencial consultar um profissional de saúde para resolver o problema.

Ambas as situações, se não forem tratadas adequadamente, podem ser fatais. No entanto, o que mais preocupa as pessoas com diabetes e suas famílias é a possibilidade de complicações crônicas, aquelas que surgem quando a doença está presente há muitos anos. Mas é difícil quantificar há quantos anos as complicações estão presentes; isso depende do indivíduo e de seu controle metabólico.

Em geral, se os níveis elevados de glicose no sangue não forem corrigidos com o tempo, podem ocorrer danos em algumas partes do corpo, principalmente nas seguintes áreas

  • Rins;
  • Visão;
  • Coração e vasos sanguíneos;
  • Nervos das extremidades.

 

Diagnóstico e Tratamento

Visto anteriormente a importância do diagnóstico para evitar complicações, veja como ele é feito e sua influência na adesão de um tratamento. Para fazer um diagnóstico correto em crianças e adultos, há vários testes que o profissional médico deve realizar no centro de saúde.

Primeiramente, os níveis de glicose no sangue e na urina devem ser medidos.

  • Os níveis de glicose no sangue são superiores a 126 mg/dl quando a criança acorda, antes de comer ou beber e após jejum de pelo menos 8 horas.
  •  Os níveis de glicose no sangue são superiores a 200 mg/dl em qualquer momento do dia (verificado mais de uma vez).
  • Os níveis de glicose no sangue são iguais ou superiores a 200 mg/dl, 2 horas após o teste oral de tolerância à glicose (OGTT).

O momento do diagnóstico, quando um médico informa que uma criança ou adolescente tem diabetes tipo 1, é chamado de estreia diabética. Uma vez diagnosticada, a criança deve iniciar imediatamente o tratamento prescrito pelo médico.

As opções de tratamento variam de acordo com o tipo de diabetes diagnosticada: tipo 1 ou tipo 2.

No caso do diabetes tipo 1, como o corpo não produz insulina, a administração diária de insulina é essencial. Podem ser usadas injeções de insulina ou bombas de insulina, que permitem um controle mais preciso. O monitoramento regular dos níveis de glicose no sangue também é fundamental para ajustar a dose de insulina conforme necessário. Além disso, um estilo de vida saudável, incluindo uma dieta balanceada e atividade física, é essencial para o controle eficaz do diabetes tipo 1.

No diabetes tipo 2 em crianças, a situação pode ser controlada em muitos casos com mudanças no estilo de vida, como uma dieta saudável e atividade física regular. Em alguns casos, os médicos podem prescrever medicamentos para ajudar a controlar os níveis de glicose. Assim como no diabetes tipo 1, o monitoramento regular da glicose é essencial para avaliar a eficácia do tratamento.

 

Vivendo com Diabetes: Dicas para Pais e Cuidadores

Depois que é diagnosticada diabetes em crianças, a educação sobre a doença é necessária tanto para o próprio paciente - que deve conhecer melhor sua saúde - quanto para sua família, amigos e professores, que também podem intervir no controle farmacológico e emocional do diabetes. 

O ambiente também deve estar ciente das diretrizes de ação e participar dos hábitos e horários da criança. Nesse sentido, o trabalho de conscientização e normalização em todo o entorno da criança é essencial para que ela se adapte e aprenda a conviver com a doença.

Uma alimentação rica em açúcares é altamente contraindicada. No entanto, a dieta não se limita apenas ao controle do açúcar. Assim, tanto em casa quanto na escola, o consumo de gordura deve ser moderado para evitar o sobrepeso e porque diminui a ação da insulina. 

Por outro lado, alimentos ricos em fibras, como frutas naturais com casca e vegetais frescos ou cozidos, são altamente recomendados, pois as fibras não são digeridas e, portanto, retardam a passagem da glicose para o sangue. As proteínas presentes na carne, no peixe, nos ovos, no queijo ou no leite (com baixo teor de gordura) também são necessárias para o crescimento do corpo e o reparo dos tecidos.

Além disso, é importante que a criança faça as refeições sempre no mesmo horário, o que contribui para um melhor controle do diabetes. Além disso, fazer cinco refeições por dia (café da manhã, almoço, lanche e jantar) equilibra os níveis de glicose no sangue.

Como também as crianças com diabetes podem praticar esportes como qualquer outra criança, desde que façam o teste de glicemia e calculem a insulina necessária para a atividade. De fato, o exercício tem vários benefícios adicionais para elas: reduz os níveis de glicose no sangue, melhora a sensibilidade à insulina e ajuda a perder peso.

 

Importância do Apoio Psicológico e Social

O gerenciamento emocional é crucial ao lidar com o diagnóstico e o tratamento contínuo do diabetes, pois ele pode ser avassalador e emocionalmente desafiador. Um psicólogo especializado em crianças e diabetes desempenha um papel fundamental para ajudar os pacientes a lidar com essas emoções negativas. 

Da ansiedade inicial ao estresse contínuo, o apoio psicológico não só ajuda a gerenciar essas emoções, mas também pode evitar complicações adicionais ao influenciar positivamente os níveis de açúcar no sangue. 

Isso, por sua vez, melhora a adesão ao tratamento, incentivando os pacientes a manter um controle rigoroso de sua saúde por meio de um gerenciamento emocional eficaz.

 

Conclusão

Por fim, é importante que os responsáveis da criança estejam atentos a todos os sinais dos diabetes para uma abordagem holística da condição. Pais e cuidadores devem buscar orientação médica e suporte comunitário para garantir um diagnóstico precoce e um tratamento eficaz da diabetes em crianças, promovendo assim a saúde e o bem-estar dos pequenos.

 

Pill, somos a parceria ideal para a sua saúde

Na Pill, nosso foco é em melhorar a vida das pessoas, democratizando o acesso à saúde e aos serviços da farmácia. Nós nos preocupamos com nossos pacientes e queremos fazer parte do seu cotidiano, facilitando sua vida. É um prazer cuidar todos de vocês.

Para ser atendido, basta mandar a sua dúvida no nosso WhatsApp: (11)99999-0380. Visite nosso site e monte sua cesta de remédio e coloque tudo no automático com o nosso serviço de Compra Recorrente: pill.com.br, sua caixa de remédio renovada todo mês.

Observação: este conteúdo não se destina a substituir aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Sempre procure o conselho de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter sobre uma condição médica.

 

Produtos relacionados

 

FAQ: perguntas frequentes sobre crianças diabéticas