Remédio para diabetes: importância e riscos da automedicação
Foto Wilton de Andrade
Escrito por
Wilton de Andrade
Última atualização
02/04/2024
Logo da Pill

Remédios para diabetes

Seja o tipo 1 ou o tipo 2, requerem de remédio diabetes e tratamento adequado prescrito por um médico com o intuito de garantir uma qualidade de vida para os pacientes. Contudo, grande parte das pessoas recorrem à automedicação, muitas vezes usando drogas farmacêuticas ou remédios naturais prejudiciais. 

Portanto, é crucial que os indivíduos com diabetes evitem a automedicação para tratar qualquer desconforto ou complicação, pois o remédio para diabetes tem efeitos colaterais

Utilizar medicamentos sem prescrição médica pode influenciar negativamente os níveis de glicose, colocando em risco a saúde do paciente. Abordamos tudo o que você precisa saber a seguir, confira. 

A importância da medicação para pessoas com diabetes

Embora adotar um estilo de vida saudável, incluindo uma alimentação equilibrada e a prática regular de atividades físicas, seja crucial para o controle do diabetes, a medicação é inegociável para as pessoas que sofrem da doença. 

Ela representa uma parte fundamental do tratamento, que deve ser integrado a outros pilares como dieta, exercícios e monitoramento dos níveis de glicose sanguínea. Além disso, a rotina saudável também é o principal remédio para pré-diabetes.

Assim como também, mais da metade dos diabéticos são prescritos medicamentos por via oral. Alertando que, embora possa ocorrer melhora dos sintomas após a ingestão desses medicamentos, é importante ressaltar que o paciente não pode considerar isso um motivo para interromper o tratamento, pois a doença não tem cura e o tratamento é contínuo.

Quais são os riscos que os diabéticos correm quando se automedicam?

Em geral, ao se automedicarem com remédio diabetes, as pessoas frequentemente ignoram os riscos potenciais, acreditando que estão resolvendo o problema na hora. No entanto, o principal dos riscos é que a automedicação pode agravar a situação devido à falta de conhecimento adequado sobre o diagnóstico.

Por exemplo, um indivíduo com diabetes tipo 1, que necessita de insulina para controle da glicose sanguínea, pode achar que seu caso de doença necessita de uso da insulina e optar por hipoglicemiantes orais (comprimidos). 

Essa escolha pode resultar em hiperglicemia, aumentando o risco de cetoacidose, caracterizada pela acidificação do sangue devido a altos níveis de cetonas em decorrência da deficiência de insulina.

Outro exemplo é usar o remédio para diabetes tipo 2 errado (esse tipo não dependente de insulina) que se automedica com um hipoglicemiante oral (em forma de comprimido) em uma dose maior do que a necessária causa hipoglicemia.

Em outras situações, quando as pessoas estão com níveis altos de glicose no sangue e, para tentar diminuir rapidamente, pulam refeições e tomam mais de um comprimido pensando em torná-lo "mais eficaz". Fazer isso recorrentemente pode levar à hipoglicemia (valor de glicemia capilar abaixo de 0,70 mg/dl).

Como também quando uma pessoa a quem o médico receitou comprimidos hipoglicemiantes. Devido a vários fatores socioeconômicos, ela não consulta o médico por um longo período (até anos) e continua usando o mesmo medicamento, sem saber que em sua diabetes ocorreu mudanças, em que o uso do mesmo remédio pode causar complicações no organismo, consequentemente, acaba tornando o medicamento contraindicado sem que o paciente saiba disso.

Diagnóstico como ponto essencial no tratamento

Para que as pessoas com diabetes possam levar uma vida boa apesar da doença, o ponto de partida é o diagnóstico precoce, pois é fato que quanto mais tempo o diabetes não for identificado e tratado, pior será o prognóstico.

É muito importante ter em mente que, para fazer um diagnóstico precoce, é essencial ir a um profissional de saúde ou a um centro de saúde, onde estão disponíveis recursos necessários para o atendimento de pessoas com diabetes. Onde, por exemplo, podem ser realizados exames de sangue para medir os níveis de glicose ou a porcentagem de hemoglobina A1c (glicosilada).

O diabetes é uma doença bem definida, relativamente fácil de diagnosticar e de ocorrência comum. É por isso que qualquer pessoa em risco ou com suspeita de ter diabetes deve procurar um médico imediatamente para fazer o diagnóstico correto, seja um adulto com suspeitas ou responsáveis de crianças com suspeita de diabetes infantil.

Novos remédios para diabetes

A seguir, estão os remédios diabetes comuns que uma pessoa com diabetes pode precisar. Esses medicamentos não são para todos. Isso depende do tipo de diabetes que você tem (tipo 1 ou tipo 2) e dos outros problemas de saúde que você e seu médico estão tratando.

Além de prescrever o que você precisa para o diabetes, o médico o orientará na escolha de medicamentos de venda livre para resfriados, gripes, dores de cabeça e outras doenças comuns, caso queira incluir remédio caseiro diabetes consulte o médico antes.

Medicamentos para diabetes tipo 1

A insulina é o tipo mais comum de medicamento usado no tratamento do diabetes tipo 1. Se você tem diabetes tipo 1, seu corpo não consegue produzir sua própria insulina. O objetivo do tratamento é substituir a insulina que seu corpo não consegue produzir.

A insulina também é usada no tratamento do diabetes tipo 2. Ela é administrada por injeção e vem em várias formas. O tipo de insulina que você precisa depende da gravidade da depleção de insulina. As opções incluem:

insulina de ação curta

  • insulina regular (humulina e novolina)

Insulinas de ação rápida

  • insulina aspart (NovoLog, FlexPen, Fiasp)
  • insulina glulisina (Apidra)
  • insulina lispro (Humalog)

insulina de ação intermediária

  • insulina isofônica (Humulin N, Novolin N)

Insulinas de ação prolongada

  • insulina degludec (Tresiba)
  • insulina detemir (Levemir)
  • insulina glargina (Lantus)
  • insulina glargina (Toujeo)

Insulinas combinadas

  • NovoLog Mix 70/30 (insulina aspart protamina-insulina aspart)
  • Humalog Mix 75/25 (insulina lispro protamina-insulina lispro)
  • Humalog Mix 50/50 (insulina lispro protamina-insulina lispro)
  • Humulin 70/30 (insulina humana NPH-insulina humana regular)
  • Novolin 70/30 (insulina humana NPH-insulina humana regular)
  • Ryzodeg (insulina degludec-insulina aspart)

Medicamentos para diabetes tipo 2

Se você tem diabetes tipo 2, seu corpo produz insulina, mas não usa bem. Não produzindo o suficiente para manter os níveis de açúcar no sangue normais. O objetivo do tratamento é ajudar seu corpo a usar melhor a insulina ou a se livrar do açúcar extra no sangue. A maioria dos medicamentos para diabetes tipo 2 é tomada por via oral, confira:.

Metformina 

A metformina é um dos medicamentos orais mais comumente prescritos para o diabetes tipo 2. Ela atua reduzindo a quantidade de glicose que o corpo produz e absorve. E ajuda o corpo a responder melhor à sua própria insulina. Em média, a metformina pode reduzir a hemoglobina A1C (HbA1C ou A1C) em até 1,5%.

Sulfonilureias

Assim como a metformina, as sulfonilureias são uma classe mais antiga de medicamentos orais para diabetes. Por exemplo:

  • Glipizida (Glucotrol);
  • Gliburida (Glynase, Diabeta);
  • Glimepirida (Amaryl).

As sulfonilureias ajudam o pâncreas a liberar mais insulina, o que reduz a quantidade de glicose no sangue. Foi demonstrado que elas reduzem a A1C em cerca de 1,5%, mas, devido ao seu modo de ação, as sulfonilureias têm um risco maior de hipoglicemia (níveis perigosamente baixos de glicose no sangue). Elas também podem causar ganho de peso.

Meglitinidas

As meglitinidas (ou glinidas) incluem os medicamentos orais repaglinida e nateglinida. Elas funcionam de forma semelhante às sulfonilureias para ajudar o pâncreas a liberar insulina. Eles começam a funcionar rapidamente, mas não duram tanto tempo no corpo quanto as sulfonilureias. Portanto, você precisará tomá-las com mais frequência.

Inibidores da dipeptidil peptidase-4 (DPP-4)

Os inibidores da dipeptidil peptidase-4 (DPP-4) (também chamados de gliptinas) são uma classe de medicamentos orais para diabetes que incluem:

  • Sitagliptina (Januvia);
  • Linagliptina (Trayenta);
  • Alogliptina (Nesin);
  • Saxagliptina (Onglyza).

Os inibidores da DPP-4 funcionam impedindo a degradação do GLP-1, para que ele permaneça no corpo por mais tempo. O GLP-1 é um hormônio intestinal que aciona a liberação de insulina, bloqueia a produção de glicose no fígado e ajuda na sensação de saciedade.

Inibidores de SGLT2

Os inibidores do cotransportador de sódio e glicose 2 (SGLT2) são uma nova classe de medicamentos orais para diabetes. Além de tratar o diabetes tipo 2, alguns também têm benefícios comprovados para pessoas com insuficiência cardíaca, doença cardíaca e doença renal. Exemplos de inibidores de SGLT2 incluem:

  • Canagliflozina (Invokana);
  • Dapagliflozina (Farxiga);
  • Empagliflozina (Jardiance);
  • Ertugliflozina (Steglatro).

Os inibidores de SGLT2 funcionam fazendo com que os rins eliminem a glicose e o sódio (sal) pela urina. Em média, os inibidores de SGLT2 reduzem a A1C em cerca de 1%. Eles também ajudam algumas pessoas a perder peso e a reduzir a pressão arterial. E o risco de hipoglicemia também é baixo.

Tiazolidinedionas

A classe das tiazolidinedionas (também chamadas de glitazonas ou "TZDs") inclui a pioglitazona (Actos) e a rosiglitazona (Avandia). Entretanto, a rosiglitazona não é mais prescrita com muita frequência. As TZDs são geralmente usadas em combinação com medicamentos como metformina, sulfonilureias e até mesmo insulina.

Rybelsus

Rybelsus (semaglutide) é a versão oral do Ozempic, um popular medicamento injetável para diabetes tipo 2. Atualmente, é o único medicamento de sua classe que é tomado por via oral.

O Trulicity é um agonista do peptídeo-1 semelhante ao glucagon (GLP-1). Os agonistas do GLP-1 normalmente reduzem a A1C em cerca de 1%. Eles funcionam imitando um hormônio intestinal chamado GLP-1, que faz com que o pâncreas libere insulina após a ingestão de alimentos, reduz a produção de glicose no fígado e faz com que a pessoa se sinta saciada. As pessoas que tomam agonistas do GLP-1 também tendem a perder peso.

Esses são alguns dos medicamentos usados para tratar diabetes. Contudo, destacamos que a automedicação não é indicada, entender que o remédio para diabetes tipo 1 e tipo 2 têm componentes que podem levar a complicações por uso indevido é a chave para tomá-los com responsabilidade.

Como tratar o diabetes de forma natural?

É possível tratar a doença naturalmente? A rigor, não. Não é possível tratar o diabetes exclusivamente de forma natural. No entanto, isso não significa que a contribuição de um elemento natural tenha sido descartada.

Enquanto a ciência avança, a melhor coisa a fazer é seguir o tratamento prescrito pelo médico e levar um estilo de vida saudável. Aqui, analisaremos alguns dos mais benéficos.

Exercícios físicos ajudam muito: De acordo com os resultados de um estudo publicado pelo Cuban Journal of Endocrinology, a atividade física é uma excelente aliada para o controle dos altos níveis de açúcar no sangue. 

Melhorar a alimentação: Parte da rotina que apoia o bom controle do diabetes é melhorar os hábitos alimentares. Nesse sentido, é essencial excluir os açúcares refinados, pois eles podem causar complicações graves.

Parar de fumar: Os fumantes diagnosticados com diabetes precisam parar de fumar o mais rápido possível. As toxinas contidas nos cigarros são capazes de influenciar os problemas relacionados à diabetes.

Consuma ômega 3: Ao longo dos anos, acredita-se que os alimentos e suplementos de ômega 3 podem ajudar a aumentar a sensibilidade à insulina no diabetes. Nesse sentido, foi recomendado que eles fossem consumidos pelo menos duas vezes por semana.

Consumo de chá verde: Os pacientes que tomam chá verde desfrutam de vários benefícios. Em primeiro lugar, seus nutrientes ajudam a regular os níveis de glicose no sangue, melhorando a capacidade de usar a insulina.

Dicas para gerenciar os remédios para diabetes

Tome os medicamentos conforme indicado. Informe ao seu farmacêutico e ao médico se você:

  • Sentir algum problema que não tinha antes, como náusea, diarreia, coceira ou erupção cutânea;
  • Tiver alguma dificuldade para tomar seus medicamentos, como esquecimento ou dificuldade para engoli-los;
  • Houver alguma mudança em sua dieta e saúde;
  • Estiver grávida ou amamentando;
  • Tem dificuldade para pagar pelos seus medicamentos.

Faça uma lista de todos os seus medicamentos para mostrar ao farmacêutico e ao médico. É mais fácil do que tentar se lembrar de todos eles. Dê uma cópia de sua lista de medicamentos ao farmacêutico e ao médico da atenção primária. 

Inclua medicamentos de venda livre, o remédio de diabete nomes, como vitaminas, suplementos de ervas, remédio natural para diabetes, remédios para resfriado ou dor (por exemplo, aspirina ou ibuprofeno). Esses são medicamentos que você pode comprar na loja sem receita médica. Às vezes, eles podem afetar o funcionamento de outros medicamentos.

 

Pill, somos a parceria ideal para a sua saúde

Na Pill, nosso foco é em melhorar a vida das pessoas, democratizando o acesso à saúde e aos serviços da farmácia. Nós nos preocupamos com nossos pacientes e queremos fazer parte do seu cotidiano, facilitando sua vida. É um prazer cuidar todos de vocês.

Para ser atendido, basta mandar a sua dúvida no nosso WhatsApp: (11)99999-0380. Visite nosso site e monte sua cesta de remédio e coloque tudo no automático com o nosso serviço de Compra Recorrente: pill.com.br, sua caixa de remédio renovada todo mês.

Observação: este conteúdo não se destina a substituir aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Sempre procure o conselho de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter sobre uma condição médica.

 

Produtos relacionados

 

FAQ: perguntas frequentes sobre remédio para diabetes