Guia prático sobre o Alzheimer - consulta médica - geriatria - geriatra
Foto Wilton de Andrade
Escrito por
Wilton de Andrade
Última atualização
20/02/2024
Logo da Pill

O que é Alzheimer?

O Alzheimer é uma condição que se insinua silenciosamente e se manifesta com o tempo, afetando a memória, o pensamento e o comportamento. Não é simplesmente uma parte do envelhecimento, mas sim uma doença neurodegenerativa progressiva e atualmente, a forma mais comum de demência. Embora afete principalmente indivíduos com mais de 65 anos, é importante notar que não é exclusiva dessa faixa etária.

Este artigo tem como objetivo primordial informar sobre a doença de Alzheimer de uma forma compreensível, oferecendo insights sobre suas causas, sintomas, tratamentos disponíveis e estratégias para lidar com os desafios diários enfrentados por pacientes e cuidadores. Além disso, busca-se esclarecer dúvidas comuns, desmistificar equívocos e, acima de tudo, oferecer suporte e recursos para aqueles que enfrentam essa condição diretamente ou indiretamente.

Embora fundamentado em dados e estatísticas globais fornecidos por organizações renomadas como a Organização Mundial da Saúde, este artigo também se dedica a trazer um olhar humano sobre a condição, enfatizando a importância do apoio, compreensão e cuidado no manejo do Alzheimer.

 

Causas e Fatores de Risco

Genética e Histórico Familiar

A genética desempenha um papel importante no desenvolvimento do Alzheimer, principalmente em casos de início precoce, que são raros. Certos genes, como o APOE-ε4, têm sido associados a um risco aumentado da doença (Livingston et al, 2020). No entanto, ter um parente próximo com Alzheimer não significa que a doença é inevitável. A hereditariedade aumenta a probabilidade, mas fatores ambientais e estilo de vida também são cruciais (National Institute on Aging).

Fatores de Estilo de Vida e Ambientais

Estilos de vida saudáveis podem reduzir o risco de desenvolver Alzheimer. Fatores como uma dieta equilibrada, exercícios regulares, manter o cérebro ativo e ter um bom suporte social são importantes (Lane; Hardy; Schott, 2021). Por outro lado, fatores de risco incluem:

  • Tabagismo
  • Consumo excessivo de álcool
  • Obesidade
  • Diabetes
  • Hipertensão arterial

Fatores ambientais, como exposição a certos poluentes ou toxinas, também podem contribuir para o risco.

Idade e Outros Fatores de Risco

A idade é o maior fator de risco para o Alzheimer. A probabilidade de desenvolver a doença aumenta significativamente à medida que se envelhece, especialmente após os 65 anos. Além da idade e dos fatores genéticos e de estilo de vida, outros fatores de risco incluem:

  • Gênero, com as mulheres tendo um risco ligeiramente maior do que os homens, possivelmente devido à maior expectativa de vida.
  • Lesões na cabeça ou traumatismos cranioencefálicos.
  • Fatores relacionados à saúde cardiovascular.

 

Sintomas e Diagnósticos

Os primeiros sintomas do Alzheimer podem ser sutis e, muitas vezes, são confundidos com mudanças normais relacionadas à idade (Caetano; Silva; Silveira, 2016). Contudo, um dos primeiros sinais é geralmente a dificuldade em lembrar informações recentes, como conversas ou eventos. À medida que a doença avança, os sintomas podem incluir:

  • Dificuldade em realizar tarefas familiares.
  • Problemas com a linguagem, como encontrar palavras.
  • Desorientação em relação a tempo e lugar.
  • Julgamento prejudicado e diminuição da capacidade de tomar decisões.
  • Mudanças de humor, personalidade ou comportamento.

Progressão dos sintomas

À medida que o Alzheimer avança, os sintomas se tornam mais pronunciados (La Jolla Institute). As pessoas podem ter dificuldade em reconhecer familiares e amigos, podem começar a vagar e se perder, e podem ter dificuldades com a comunicação. Em estágios avançados, podem precisar de ajuda com tarefas diárias, como se vestir e comer, e podem se tornar mais suscetíveis a infecções, especialmente pneumonia.

Métodos de diagnóstico e avaliação médica

O diagnóstico de Alzheimer é feito principalmente através da exclusão de outras possíveis causas dos sintomas. Os médicos realizam uma combinação de avaliações, incluindo:

  • Avaliação médica completa, que pode incluir testes de sangue e exames físicos.
  • Avaliações neuropsicológicas para avaliar a memória, a capacidade de resolver problemas e outras habilidades cognitivas.
  • Exames de imagem cerebral, como ressonância magnética ou tomografia computadorizada, que podem detectar mudanças no tamanho ou forma do cérebro.

Atualmente, pesquisas estão focando em marcadores biológicos, como proteínas específicas no líquido cefalorraquidiano ou mudanças em PET scans, para ajudar no diagnóstico precoce e monitoramento do progresso da doença.

 

Estágios do Alzheimer 

O Alzheimer é geralmente dividido em três estágios principais: leve (inicial), moderado (intermediário) e grave (avançado). É importante notar que a progressão da doença pode variar significativamente entre os indivíduos, e a duração de cada estágio pode variar (Alzhermir’s Disease).

Estágio Leve (Inicial)

No estágio inicial, os sintomas podem ser sutis e às vezes são confundidos com mudanças normais relacionadas à idade ou ao estresse. Os indivíduos podem:

  • Ter dificuldade em lembrar de informações recentes, como conversas ou eventos.
  • Enfrentar desafios em gerenciar finanças ou planejar refeições.
  • Ter dificuldade em encontrar as palavras certas durante conversas.
  • Apresentar mudanças leves de humor ou personalidade.
  • Apesar dessas dificuldades, muitas pessoas no estágio inicial ainda são capazes de funcionar de forma independente e podem continuar suas atividades diárias.

Estágio Moderado (Intermediário)

Este estágio é tipicamente o mais longo e pode durar muitos anos. Conforme a doença progride, as pessoas necessitam de um nível crescente de cuidado e supervisão. Neste estágio, os indivíduos podem:

  • Ter dificuldade significativa com a memória e a fala, esquecendo eventos da própria história e tendo dificuldade em reconhecer amigos e familiares.
  • Experimentar confusão ou desorientação em relação a onde estão ou que dia é.
  • Encontrar desafios em vestir-se adequadamente para o clima ou a ocasião.
  • Apresentar alterações no comportamento, incluindo agitação, irritabilidade ou comportamento inapropriado.

Estágio Grave (Avançado)

No estágio avançado, os indivíduos perdem a capacidade de responder ao ambiente, de manter uma conversa e, eventualmente, de controlar o movimento. Eles podem:

  • Necessitar de cuidados em tempo integral para atividades diárias, como comer e usar o banheiro.
  • Ter dificuldade em engolir, aumentando o risco de aspiração e infecções.
  • Experimentar uma diminuição na mobilidade, podendo ficar acamados ou dependentes de cadeira de rodas.
  • Mostrar mudanças significativas na personalidade e nas capacidades físicas.

 

Tratamento e Manejo do Alzheimer

As opções de tratamento para Alzheimer são principalmente voltadas para a melhoria da qualidade de vida e a desaceleração da progressão da doença. Atualmente, não há cura para o Alzheimer, mas existem medicamentos e terapias não farmacológicas que podem ajudar a gerenciar os sintomas (Cummings et al, 2020).

Medicamentos como inibidores da colinesterase (donepezila, rivastigmina e galantamina) são comumente prescritos para os estágios iniciais aos estágios intermediários da doença. Eles atuam aumentando os níveis de acetilcolina, um neurotransmissor importante para a memória e o aprendizado. Para estágios mais avançados, a memantina, que atua no sistema glutamatérgico, pode ser usada. Além disso, os antidepressivos podem ser prescritos para gerenciar sintomas de depressão ou agitação, comuns em estágios avançados.

Estratégias de manejo da doença

Além da farmacoterapia, estratégias não medicamentosas são cruciais no manejo da doença de Alzheimer (Kales; Gitlin; Lyketsos, 2015). Estas incluem:

  • Terapia cognitivo-comportamental para ajudar a lidar com as mudanças no comportamento e no humor.
  • Terapias de estimulação cognitiva, como puzzles, jogos de memória e atividades artísticas, que podem ajudar a manter a função mental.
  • Adaptação do ambiente de vida para torná-lo mais seguro e confortável para a pessoa com Alzheimer.
  • Estabelecimento de uma rotina diária para ajudar a minimizar a confusão e a agitação.

Importância do apoio de cuidadores e familiares

O papel dos cuidadores e familiares no manejo do Alzheimer é inestimável. Eles não só fornecem o suporte físico necessário, como também o emocional, essencial para a qualidade de vida do paciente (Lane; Hardy; Schott, 2021). Programas de apoio a cuidadores e familiares são fundamentais, pois o cuidado com uma pessoa com Alzheimer pode ser fisicamente e emocionalmente desgastante.

O suporte pode incluir grupos de apoio, serviços de aconselhamento, e estratégias de respiro para cuidadores. Educação sobre a doença e treinamento sobre como gerenciar os diferentes aspectos e estágios também são fundamentais.

 

Impacto Psicossocial do Alzheimer

O Alzheimer tem um impacto profundo não apenas nos pacientes, mas também em suas famílias e cuidadores. Para o paciente, a perda progressiva de memória, capacidade de julgamento e habilidades cognitivas pode resultar em frustração, isolamento social e depressão (Charlesworth et al, 2017). A evolução da doença frequentemente leva a mudanças na personalidade e no comportamento, o que pode ser desafiador tanto para o paciente quanto para os membros da família.

As famílias enfrentam o desafio de adaptar-se a um papel de cuidador, muitas vezes sem preparação prévia. Esse papel pode incluir o gerenciamento de sintomas, a adaptação do ambiente doméstico, o acompanhamento em consultas médicas e a tomada de decisões difíceis sobre cuidados a longo prazo (Tomata; Miura, 2021). Tudo isso, somado ao luto antecipado pelo declínio progressivo do ente querido, pode levar a altos níveis de estresse emocional e físico, conhecido como sobrecarga do cuidador (Kwo-Chen et al, 2015).

Abordagem Psicológica e Emocional

A abordagem psicológica e emocional para pacientes e cuidadores é fundamental. Para os pacientes, terapias que focam na manutenção da função cognitiva, socialização e engajamento em atividades significativas são essenciais para promover o bem-estar. A terapia cognitivo-comportamental e a psicoterapia podem ser úteis para gerenciar a depressão ou a ansiedade.

Para os cuidadores, o apoio psicológico é crucial. O reconhecimento e a gestão da sobrecarga do cuidador são fundamentais para manter a saúde física e mental. Grupos de apoio, terapia individual ou familiar e educação sobre a doença podem fornecer estratégias essenciais para gerenciar o estresse e a sobrecarga emocional.

Estratégias de Coping para Pacientes e Cuidadores

Estratégias de coping são essenciais tanto para pacientes quanto para cuidadores. Para pacientes, manter uma rotina diária, envolver-se em atividades que promovam o prazer e a autoestima, e participar de programas de terapia de grupo ou individual podem ser benéficos.

Para cuidadores, estratégias de coping incluem:

  • Estabelecer uma rede de apoio, seja através de grupos de apoio locais, amigos ou familiares.
  • Praticar o autocuidado, dedicando tempo para atividades relaxantes e prazerosas.
  • Procurar ajuda profissional quando sentir-se sobrecarregado.
  • Informar-se sobre a doença, o que pode ajudar a entender melhor os desafios enfrentados pelo paciente e a adaptar as expectativas.

 

Avanços na Pesquisa do Alzheimer

A pesquisa sobre Alzheimer tem avançado significativamente nos últimos anos, trazendo novas esperanças e possibilidades para o tratamento e manejo da doença. Um dos principais focos tem sido a identificação de biomarcadores que podem prever o desenvolvimento da doença antes mesmo do aparecimento dos sintomas. Isso poderia permitir intervenções mais precoces e mais eficazes.

Além disso, a compreensão das bases genéticas do Alzheimer tem avançado, com estudos revelando novos genes associados ao risco da doença. Isso abre caminho para terapias personalizadas baseadas no perfil genético de cada paciente.

 

Terapias experimentais e promissoras

Várias terapias experimentais estão sendo investigadas, com algumas mostrando resultados promissores:

  • Terapia com Anticorpos Monoclonais: Medicamentos como o aducanumab têm como alvo as placas beta-amiloides no cérebro, uma das características da doença de Alzheimer. Embora haja debates sobre sua eficácia e aprovação, alguns estudos mostram que podem reduzir a progressão da doença em certos pacientes (Toledo et al, 2020).
  • Terapia Genética: Abordagens que visam modificar ou reparar genes específicos associados ao Alzheimer estão em estágios iniciais de pesquisa, mas oferecem uma visão promissora para o futuro (Rosete; Carmona; Silva, 2021).
  • Medicamentos Repurposed: Medicamentos originalmente desenvolvidos para outras doenças estão sendo testados para o Alzheimer. Por exemplo, a metformina, um medicamento para diabetes, está sendo estudada por seus possíveis efeitos neuroprotetores (Silva et al, 2018).

Visão de Futuro e Esperança

A pesquisa sobre Alzheimer está em um ponto crucial, com várias linhas de investigação abrindo novas possibilidades para o tratamento e a prevenção da doença. Embora ainda não haja uma cura, os avanços na compreensão da doença, juntamente com as terapias inovadoras em desenvolvimento, oferecem esperança.

A visão de futuro é otimista, com um foco crescente em intervenções preventivas e tratamentos personalizados. A pesquisa continua a ser fundamental para desvendar os mistérios do Alzheimer e proporcionar melhores resultados para pacientes e famílias afetadas pela doença.

 

Impacto social do Alzheimer

A relevância do Alzheimer na sociedade moderna é inegável (Ministério da Saúde). Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 50 milhões de pessoas vivem com demência em todo o mundo, e há quase 10 milhões de novos casos a cada ano. O Alzheimer representa entre 60% a 70% desses casos (Alzheimer Association). À medida que a expectativa de vida aumenta globalmente, o número de indivíduos afetados também cresce, tornando a conscientização sobre a doença mais crucial do que nunca.

O Alzheimer caracteriza-se pela deterioração das células nervosas (neurônios) e de suas conexões, resultando em uma redução progressiva da capacidade cognitiva. Isso se manifesta inicialmente com esquecimentos leves, mas com o avançar da doença, a pessoa pode perder a capacidade de realizar conversas e responder ao ambiente, afetando significativamente a vida diária e a independência.

Alzheimer no Mundo

A doença de Alzheimer é uma doença global. Estima-se que, em 2023, havia 50 milhões de pessoas com a doença no mundo. Esse número deverá aumentar para 75 milhões em 2030 e 131 milhões em 2050 (Alzheimer Disease International).

O aumento no número de casos de Alzheimer é devido ao envelhecimento da população. A doença é mais comum em pessoas a partir dos 65 anos de idade. Os países desenvolvidos são os mais afetados pela doença de Alzheimer (Ministério da Saúde do Brasil). Nos Estados Unidos, por exemplo, estima-se que existam 5,8 milhões de pessoas com a doença.

Alzheimer no Brasil

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, representando cerca de 70% dos casos. No Brasil, estima-se que existam 1,2 milhão de pessoas com a doença, o que representa 0,6% da população. A cada ano, são diagnosticados cerca de 100 mil novos casos.

A doença afeta principalmente pessoas a partir dos 65 anos de idade. No entanto, também pode ocorrer em pessoas mais jovens, especialmente em casos familiares. Infelizmente, a doença de Alzheimer não tem cura, mas existem tratamentos que podem ajudar a retardar a sua progressão.

 

Recursos e Apoio para Pacientes com Alzheimer no Brasil

No Brasil, o apoio a pacientes com Alzheimer e suas famílias têm crescido, tanto em termos de recursos disponíveis quanto no que se refere à conscientização e compreensão da doença. Vários recursos, desde grupos de apoio até literatura especializada e comunidades online, têm desempenhado papéis vitais no suporte a esses indivíduos.

Organizações e Grupos de Apoio

Organizações como a Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz) são fundamentais para oferecer apoio e informações. A ABRAz fornece orientação sobre a doença, oferece grupos de apoio e promove eventos educacionais para pacientes, familiares e profissionais da saúde.

Recursos Online e Literatura Recomendada

A internet é um recurso valioso para informações e suporte. Sites de organizações dedicadas, como a ABRAz, contêm muitos recursos úteis, incluindo informações sobre a doença, cuidados necessários e notícias sobre pesquisas e eventos.

Quanto à literatura, livros como "Convivendo com o Alzheimer: Um guia para familiares e cuidadores", de Andrea Lopes e Cristiane Pacheco, são altamente recomendados para aqueles que buscam compreender melhor a doença e aprender estratégias de cuidado.

Dicas para Encontrar Apoio Local e Comunidades

  • Grupos de Apoio Locais: Participar de grupos de apoio oferecidos por organizações locais pode ser extremamente benéfico. Esses grupos proporcionam um espaço para compartilhar experiências e estratégias de cuidado, além de oferecer suporte emocional.
  • Serviços de Saúde e Assistência Social: No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece alguns serviços e suporte para pacientes com Alzheimer, incluindo acesso a medicamentos e tratamentos. Além disso, centros de assistência social podem oferecer recursos adicionais e orientação.
  • Eventos e Conferências: Participar de eventos, seminários e conferências sobre Alzheimer pode fornecer informações valiosas e oportunidades de networking para encontrar suporte local.

 

Pill, somos a parceria ideal para a sua saúde

Na Pill, nosso foco é em melhorar a vida das pessoas, democratizando o acesso à saúde e aos serviços da farmácia. Nós nos preocupamos com nossos pacientes e queremos fazer parte do seu cotidiano, facilitando sua vida. É um prazer cuidar todos de vocês.

Para ser atendido, basta mandar a sua dúvida no nosso WhatsApp: (11)99999-0380. Visite nosso site e monte sua cesta de remédio e coloque tudo no automático com o nosso serviço de Compra Recorrente: pill.com.br, sua caixa de remédio renovada todo mês.

Observação: este conteúdo não se destina a substituir aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Sempre procure o conselho de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter sobre uma condição médica.

 

Produtos relacionados

 

FAQ: perguntas frequentes sobre Alzheimer